domingo, 27 de julho de 2014

Buscando o Reino de Deus


Por Alex Pereira

“25 - Por isso, vos digo: não andeis cuidadosos quanto à vossa vida, pelo que haveis de comer ou pelo que haveis de beber; nem quanto ao vosso corpo, pelo que haveis de vestir. Não é a vida mais do que o mantimento, e o corpo, mais do que a vestimenta? 26 - Olhai para as aves do céu, que não semeiam, nem segam, nem ajuntam em celeiros; e vosso Pai celestial as alimenta. Não tendes vós muito mais valor do que elas? 27 - E qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura? 28 - E, quanto ao vestuário, porque andais solícitos? Olhai para os lírios do campo, como eles crescem; não trabalham, nem fiam. 29 - E eu vos digo que nem mesmo Salomão, em toda a sua glória, se vestiu como qualquer deles. 30 - Pois, se Deus assim veste a erva do campo, que hoje existe e amanhã é lançada no forno, não vos vestirá muito mais a vós, homens de pequena fé? 31 - Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos ou que beberemos ou com que nos vestiremos? 32 - (Porque todas essas coisas os gentios procuram). Decerto, vosso Pai celestial bem sabe que necessitais de todas essas coisas; 33 - Mas buscai primeiro o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas. 34 - Não vos inquieteis, pois, pelo dia de amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal.

Mateus 6.25-34 (RC)¹ 

“Buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas.”

Mateus 6:33 RC
INTRODUÇÃO

A expressão Reino de Deus aparece somente no Novo Testamento 66 vezes, sendo que 51 vezes acontece nos Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João, e todas as vezes é uma frase falada por Jesus, e as outras 15 vezes acontecem em Atos e nas Epistolas, sendo citado por Lucas e Paulo em 6 livros distintos e sendo mais enfatizado no livro de I Coríntios onde há a maior quantidade de informações sobre o viver corporativo, e portanto as maiores informações sobre a Vida no Reino de Deus.

Há uma intriga, e o que eu quero passar a todos é: Por que Jesus inicia seu ministério pregando o Reino de Deus e fala tantas vezes sobre este assunto? Pensamos que Jesus veio para pregar a cura ou a libertação ou a vitória, ou um tempo de prosperidade, mas este é um engano muito comum, na verdade sua pregação e seu maior anseio era nos anunciar a vinda ou a manifestação do Reino de Deus na terra.

Quando lemos o Evangelho notamos uma singular preocupação com a restauração do Reino de Deus, ou a preparação para a manifestação deste Reino.

Basicamente a mensagem de Jesus era anunciar a vitória sobre a morte e nos dar um salário diferente da morte, mesmo no seu aparecimento junto aos apóstolos ainda podemos notar que havia uma dúvida relacionada à sua mensagem, os apóstolos ainda criam numa manifestação física do governo de Jesus, isso é possível notar nas palavras dos discípulos em Atos 1.6 “Aqueles, pois, que se haviam reunido perguntaram-lhe, dizendo: Senhor, restaurarás tu neste tempo o reino a Israel?  Percebemos que Jesus os alinha para a verdadeira essência de sua mensagem ao respondê-los “Não vos compete conhecer tempos ou épocas que o Pai reservou pela sua exclusiva autoridade”, ou seja, a mensagem de Jesus no Evangelho era a revelação necessária da uma vida cristã sadia, e outras coisas não importavam ao homens (pelo menos naquele momento), mas estava reservada apenas ao direito do Pai em sabê-las.

“Daí em diante Jesus começou a pregar: “Arrependam-se, pois o Reino dos céus está próximo.”

Mateus 4.17

Reino de Deus

O Reino de Deus não é uma esfera física, o Reino de Deus é a esfera da Sua soberania. Assim devemos buscar compreender o Reino de Deus pela sua esfera de GOVERNO, e sabemos que Deus não governa somente sob a esfera física, mas também sob a esfera invisível e imarcescível¹.

A pregação de Jesus sempre apontava para o Reino de Deus ou para o arrependimento. Duas coisas de extrema importância para a vida do crente.

Há princípios para todas as coisas criadas nos céus e na terra, e estes princípios precisam ser observados para que a construção seja perfeita. O princípio é sempre o mesmo: lançasse os fundamentos, sobem-se as paredes, colocam-se os telhados e realizam-se os acabamentos finais. A mesma forma que construímos o Reino de Deus na terra foi também construído o Reino de Deus nos céus.

Os princípios devem ser sempre respeitados. E, portanto, precisamos conhecer a planta do Arquiteto Maior para construir com a qualidade que realmente necessita. Caso não sigamos o que diz a sua Palavra, ficaremos fadados ao insucesso e o Céu ficará distante dos nossos planos.

Não é diferente quando falamos sobre a construção da sua igreja, que é o Reino de Deus na face da Terra, portanto, precisamos observar algumas coisas para construirmos a Igreja e a construirmos muito bem construída.

No verso 25, Jesus trabalha dentro da nossa esfera física para alinhar nosso entendimento sobre o que é realmente importante para nossas vidas. Podemos notar que Jesus usa um adjetivo e não um verbo para caracterizar nossa dependência (ANSIOSO). A diferença de um para o outro é muito importante para o que estamos vendo hoje, o adjetivo tem como significado a aflição e desespero enquanto que o verbo significa o desejo veemente. Podemos notar que querer muito é bem diferente de estar desesperado  por algo. 

Estamos desesperados ou desejosos? 

No verso 26 Jesus nos leva a meditar sobre o assunto proposto no sermão aplicado no Monte das Oliveiras. Jesus chega ao ponto crucial da sua mensagem, Ele usa o verso OBSERVAR e não o ver, pois observar vai além de uma simples olhada, mas nos chama a uma mais profunda reflexão. Ele usa coisas do nosso cotidiano que muitas vezes deixamos passar desapercebida. Jesus não dá ênfase ao viver preguiçoso, mas ao viver na dependência do Senhor. A explicativa de Jesus é sobre como os pássaros não tem desespero pelo que comer, mas que buscam o necessário e gastam energia naquilo que lhes é necessário. 

Estamos dependentes de Deus ou fazendo segundo as nossas próprias forças? 

No verso 27 Jesus torna ao assunto do adjetivo ansioso e lança um desafio: “Qual de vós poderá, com todos os seus cuidados, acrescentar um côvado à sua estatura?” quando olhamos para a tradução da RA vamos observar que a tradução parecerá mais rica, mas haverá uma diferença de medidas. Vamos ler o mesmo texto na tradução da RA: “Qual de vós que ansioso que esteja, pode acrescentar um côvado ao curso de sua vida?” parece incoerente o texto, pois Jesus fala da vida e não medimos a vida pela distância, mas sim pelo tempo. Sabemos que cabe a essa tradução a palavra estatura como a sugerida na versão RC, mas pensando somente na tradução da versão RA como entender a diferença de medidas? O discurso de Jesus era para os adultos, pois ele estava no Monte das Oliveiras, e portanto, não é saudável pensar que ele estava discursando para crianças. Um adulto tem um pé de aproximadamente 30 cm e na aviação a medida oficial para 1 Pé é de 30,48cm. Portanto, podemos dizer que o passo humano despretensioso deve chegar a cerca de 45cm à 50cm. 

Podemos dizer que Jesus nos deixa margem para pensar que ele de referia ao tempo gasto para um passo? Podemos dar um passo a mais ou a menos observando nossa ansiedade? 

Ele afirma no verso 28 que nem mesmo Salomão conseguiu ser algo mais além do que poderia ser, ou ter algo além do poderia ter. 

O que você tem desejado está dentro a sua esfera de possibilidades? 

No verso 32 Jesus faz uma advertência terrível, ele diz que aqueles que assim andam são comparados aos que não tem aliança com Deus. 

Com quem você tem aliança? 

Já o verso 33 Jesus explora o que devemos buscar: buscar o Reino de Deus e a sua justiça, o Reino de Deus tem haver com o seu governo a sua soberania. Jesus trás para nós a visão de que temos que priorizar nossa salvação, andar segundo a vontade de Deus e não nos deixar afligir ou desesperar por coisas que não temos gerência. A preocupação é inconsistente com a nossa vida de fé, pois, ou nós nos preocupamos ou temos fé. Outra inconsistência que existe é que se nossas prioridades são a buscas de coisas terrenas, colocamos em dúvida a soberania ou a divindade de Deus nos desviando dos nossos verdadeiros objetivos de vida. Deus proverá todas as necessidades daqueles que arriscam tudo por Ele. 

 Pelo que você tem arriscado a sua vida eterna?

2 comentários:

  1. Obrigado Lé, é bom saber que foi útil. Deus te fortaleça, pois eu continuo preferindo Jesus!

    ResponderExcluir